Destaques

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Militares querem a aprovação da PEC300

A onda de terror que abalou recentemente o Ceará, com a greve da Polícia Militar, e que é vivido no momento pela Bahia, é uma ameaça que pode se alastrar por vários estados. A ameaça tem a ver com o trancamento da PEC 300 no Congresso Nacional. Trata-se da Proposta de Emenda Constitucional que estabelece um piso nacional para os policiais militares e bombeiros.
O Estados cujos PMs estão prestes a entrar em greve são: Roraima, Mato Grosso, Tocantins, Goiás, Espírito Santo, Paraná , Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, além de Brasília. A PEC 300 está parada no Congresso por falta de previsão orçamentária para arcar com as despesas de um eventual aumento salarial para os policiais de todo o país.
Além da Bahia, já entraram em greve no Nordeste, nos últimos anos, as PMs do Ceará, Maranhão, Piauí, Alagoas e Paraíba. A PEC equipara os vencimentos dos policiais militares e bombeiros de todos os Estados aos vencimentos dos PMs de Brasília. Para tanto, seria criado um fundo para ajudar os estados.
Na campanha eleitoral de 2010, a PEC 300 foi amplamente apoiada pela esmagadora maioria dos atuais congressistas. Muitos deles, em campanha eleitoral, fizeram caminhadas com os militares e participaram de atos públicos promovidos por eles em favor da aprovação da emenda. No Piauí, houve candidato que chegou a espalhar outdoors pelas ruas em apoio à luta dos PMs.
Claro que, desde o início, se sabia que o engajamento dos políticos no movimento dos militares era pura demagogia. Eles estavam mais interessados era nos votos dos PMs e de suas famílias. E acabaram conseguindo. Depois, pouco se falou na PEC 300, que foi engavetada em Brasília.
Os políticos não contavam era que os militares fossem cobrar as promessas até agora não cumpridas. E estão fazendo a cobrança da maneira mais radical possível, que é com a paralisação de suas atividades. O lamentável é que a população, já sofrida pela falta de segurança, é quem acaba sendo ainda mais penalizada. fonte 180 graus 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião acerca da publicação acima.