Destaques

terça-feira, 8 de abril de 2014

'Ficamos amigos', diz homem que achou conta e R$ 600 e pagou boleto

A repercussão de um gesto considerado normal por Marco Antônio da Silva, de 32 anos, surpreendeu o segurança, morador de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. Ele conta que agiu como a mãe havia lhe ensinado quando encontrou um envelope com uma conta e R$ 600 em dinheiro. Mesmo sem conhecer a dona, pagou o boleto.
"Em nenhum momento, pensei em ficar com o dinheiro porque sou evangélico e minha educação veio desde pequeno. Minha mãe me ensinou a não mexer com o que não é nosso", contou o segurança.
O fato aconteceu na última quarta-feira (2), no início da tarde. Marco conta que esperava o ônibus em uma parada na Avenida Feitoria, no bairro Rio Branco, quando uma moça passou por ele de moto e deixou cair o envelope. "Na mesma hora, juntei o dinheiro e fui à lotérica", conta.
Minha educação veio desde pequeno. Minha mãe me ensinou a não mexer com o que não é nosso”
Marco Antônio da
Silva, segurança
A conta era da corretora de imóveis Karine Peyrot, de 41 anos. "Saí de casa correndo, botei no bolso da jaqueta e estava 'atucanada', pois era o último dia para pagar. Quando cheguei à lotérica, pus a mão no bolso e não estava lá. Me desesperei", contou.
Mas Marco pagou e postou o próprio número do telefone celular no Facebook, explicando a situação. Uma amiga de Karine viu a postagem e a mostrou. "Umas 20h. a Karine me ligou chorando e dizendo que eu era um anjo para ela. Aí ficamos amigos", contou.
Desde então, o segurança conta que vem recebendo inúmeras mensagens de parabéns e pedidos de amizade pelo Facebook, e vem dando entrevista a vários veículos de imprensa. "Me surpreendeu [a repercussão]. Não esperava. Adicionei gente de São Paulo, Rio de Janeiro e da Bahia. Me convidaram até para passar um fim de semana lá", conta.
O segurança, no entanto, garante que em nenhum momento pensou em ficar famoso por praticar o gesto de solidariedade. O que veio na cabeça do segurança foi a lembrança de ter passado por algo semelhante, mas na ocasião ninguém o ajudou.
"Pensei no desespero da pessoa,  lembrei que aconteceu a mesma coisa comigo. Eu estava indo pagar uma fatura no ano passado no valor de R$ 50 e entrei em desespero. Aí pensei que, só por ter perdido R$ 50 fiquei chateado. Imagina perder R$ 600", contou.
Karine ainda se emociona ao lembrar a empolgação do segurança com a repercussão da boa ação. "É um querido. A gente virou amigo. Parece que eu conheço ele há mil anos", comentou.
FONTE g1