Destaques

terça-feira, 6 de maio de 2014

Perigo no WhatsApp

Oficiais e praças a serviço do Comandante Geral estão checando informações de grupos de policiais militares no WhatsApp

Dois militares já foram ouvidos na corregedoria da Polícia Militar por postarem informações nas redes sociais


Praças, oficiais, jornalistas, criminosos, civis comuns. Nem sempre é fácil identificar de onde vem o perigo de ser delatado a superior hierárquico e responder por crime militar ou transgressão disciplinar por postagens nas redes sociais, sobretudo, no WhatsApp. Nos últimos dias, pelo menos dois militares já foram ouvidos em sindicância para apurar publicações que criticava o Comando da PM e a Secretaria de Segurança Pública.

Em conversa com um dos administradores de grupos militares e que não vamos revelar, a estratégia veio da P-2, PM que tira serviço à paisana, e se estende ao próprio comandante e subcomandante da PM, Coronéis José dos Reis Anastácio e Mário César. Em muitos desses grupos de discussão e debates, os dois oficiais foram inseridos sem que a maioria dos participantes saibam quem é quem.

- Em meu grupo eu tenho cuidado de deixar apenas praças, na maioria soldados. Mas infelizmente tem PM que não tem cuidado com as outras pessoas antes de inserir. Não é que oficiais sejam todos iguais, tem muitos que são muito bons, são tropa, mas tem outros que foram inseridos para observar as publicações com o intuito de lascar o policial, afirma um administrador de grupo.

O Blog 4 de Maio recebeu algumas recomendações por e-mail de um militar que afirma ter presenciado um administrador de grupo mostrar para um oficial, superior imediato, um “print” de uma publicação na qual um soldado da turma de 2009 realizava algumas críticas ao comando da PM. De imediato, escreveu o PM, o soldado foi identificado e passou a ser monitorado.

- Temos que ter cuidado com tudo. Por vezes, eu publico uma coisa no meu grupo, quando percebo já está em outro, inclusive de grupo com civis, onde tem traficante e outros criminosos. Já chegamos a publicar imagens de um suspeito de praticar crimes, pegamos endereço e tudo, e, quando chegamos para prender o cara, ele já estava longe. O que é escrito de críticas e denúncias em um grupo não pode ser colocado em outro que não seja de militares, observa o administrador.

É comum também que jornalistas a fim de obter pautas para matérias, sejam inseridos sem que os policiais saibam, esses também pouco se manifestam e sua identificação no próprio grupo é confusa, tudo para despistar o restante do grupo. De forma clara, nem sempre todas as pessoas que não são militares tem o interesse de prejudicar um policial, muitos jornalistas, por exemplo, abraçam a causa, mas é um risco de que corre ao publicar “certos” conteúdos.


Em outro casos, até promotor de justiça já chegou a participar de grupos militares no WhatsApp. Não demorará muito e o Ministério Público irá fazer sua checagem literal em muitas conversas. Olho vivo e faro fino.