Destaques

domingo, 8 de junho de 2014

Traumatizados após violência

Você já foi vítima de um ato de violência e ficou traumatizado? 
A violência faz parte do mundo animal. 
Os predadores atacam suas presas por uma questão de sobrevivência. 
Todo predador tem seu dia de presa e toda presa tem seu dia de predador.
Um animal quando ameaçado pode lutar, fugir ou se tornar totalmente imobilizado, fazendo-se de morto. 
Se qual for à reação, de acordo com o Dr. Peter Levine, ele passa por uma fase de hiperexicitação, com liberação intensa de catecolaminas (hormônios liberados durante situações estressantes), seguida por uma fase de constrição, em que há uma focalização na ameaça e tudo em volta fica despercebido. 
O antílope, quando atacado pelo leopardo, não tem saída: faz-se de morto e, muitas vezes, o leopardo não se sente motivado para comer uma presa já morta. 
Minutos após da imobilização com tremores, há principio um pouco desorientado, mas logo em seguida se recupera disso e volta  a ser o mesmo antílope, sem nenhuma seqüela emocional ou física.
Nós, seres humanos, temos também essa opção, só que na maioria das vezes não a exercitamos. 
O animal completa o ciclo fisiológico e volta ao normal.
O ser humano, quando violentado, assaltado, humilhado ou submetido a qualquer outro ato de violência pode carregar seqüelas emocionais por muito tempo, se não cuidado e tratado, pelo resto de sua existência. O ciclo se autoperpetua, causando o stress pós-traumático.
Mas por que não fazemos o mesmo  que o antílope? Porque revivenciamos a cena sem nos livrarmos dela. 
O Dr. Peter Levine no livro "Walking The Tiger" narra uma experiência interessante:
No dia 5 de julho, no final da década de 80 um indivíduo entra numa loja de conveniência às 6h30 da manhã. Segurando seu dedo no bolso e simulando um revólver, exigiu que a pessoa do caixa entregasse a ele todo o dinheiro da gaveta. 
Após coletar em torno de 5 dólares em moedas, retornou para seu carro onde permaneceu até a chegada da polícia. 
Quando a polícia chegou, o indivíduo saiu do carro, e com o dedo outra vez no bolso, anunciou que tinha um revólver e que todos deveriam ficar afastados dele. Por sorte, foi levado preso sem ter sido baleado.
 Na delegacia o policial que levantou sua ficha criminal constatou que ela já havia sido preso por 6 assaltos nos últimos 15 anos, todos às 6h30 da amanhã do dia 5 de Julho. 
Após saber que o assaltante era um veterano de guerra foi encaminhado para o Hospital Psiquiátrico onde o médico Dr. Bessel Van Der Folk teve a oportunidade de atendê-lo e fez a seguinte pergunta: "O que aconteceu com você no dia 5 de julho às 6h30 da manhã?"
Ele respondeu que estava no Vietnã e seu pelotão foi atacado por vietcongs. 
Todos foram mortos, menos ele e seu amigo Jim.
 A data era 4 de julho.
 Escureceu rapidamente e os helicópteros americanos não puderam resgatá-los. 
Eles passaram uma noite horrível juntos, escondidos numa plantão de arroz, cercada por inimigos. 
Às 3h30, Jim  foi atingido com um tiro no tórax, vindo a falecer nos seus braços às 6h30 do dia 5 de Julho. 
O veterano de Guerra, todo o dia 5 de Julho, quando não se encontra atrás das grades, comete o crime de assalto.
Um trauma pode ser caudado por diferentes atos de violência. 
Pode começar durante a vida intra-uterina (marido chutando a barriga da mulher grávida), durante o parto (um fórceps mal aplicado), a morte de um ente querido, uma doença, um acidente, o fato de presenciar um ato de violência (criança que vê seu pai agredindo fisicamente sua genitora), cirurgia etc.
Devemos (sozinhos ou com ajudas de especialistas) reconstruir nossa barreira protetora e devolver a nós mesmos o sentimento de poder pessoal. 
Lembre-se de que todo trauma é uma oportunidade para a transformação.
    O discípulo perguntou ao sábio:
    - Como posso livrar-me dos meus medos?
    O mestre respondeu com outra indagação:
    - Como é que você se livra de alguma coisa a qual você se agarra?
    
O rapaz franziu a testa e murmurou: 
    - O senhor quer dizer que eu de fato me agarro aos meus receios? Não concordo com isso.
    
E o sábio completou:
    - Você deve concordar, pois no medo você busca proteção. Descubra as coisas contra as quais se protege e, então, vai descobrir sua tolice.