Na história, sempre vemos casos de tramas de poder que envolveram sexo. Na política, através dos tempos, sempre vimos que escândalos sexuais são parte quase inseparável do alto escalão do poder. E, no Brasil, país das mulheres mais bonitas do mundo, não seria diferente.
Vamos relembrar três casos que marcaram a política brasileira. O primeiro, em 94. Itamar Franco foi flagrado ao lado da modelo Lilian Ramos no camarote do carnaval carioca. A moça, que havia desfilado momentos antes, foi fotografada sem calcinha. O episódio rendeu uma baita dor de cabeça para Itamar, que infelizmente (pra ele) não havia sequer encostado em Lilian. Anos depois ela se mudou para a Itália, onde mora até hoje.
Lilian, na fatídica foto ao lado de Itamar.
Lilian, na fatídica foto ao lado de Itamar.
E hoje em dia, passado o escândalo.
E hoje em dia, passado o escândalo.
Em 2013, o senador Renan Calheiros engravidou a jornalista Mônica Veloso. Até aí, “tudo bem”. O escândalo estourou quando, em um punhado de acusações e investigações de diversos tipos sobre o senador, descobriu-se que ele pagava a pensão do filho de Mônica através de um lobista. Renan se segurou no cargo, e Mônica parou na Playboy.
Durante a CPI do caso Cachoeira, um vídeo íntimo de Denise Rocha, assessora do deputado Ciro Nogueira, vazou na web. Desde então, ela foi rotulada como “furacão da CPI”. Ok, Denise teve uma grande exposição na mídia, posou nua e apareceu na TV. Tentou sair candidata a deputada, mas acabou desistindo.