Destaques

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Uma tragédia. Duas vitimas


Durante uma operação para coibir a pirataria, batizada de Delegada, realizada dia 18 na Lapa, zona oeste da capital paulista, um policial alvejou e matou um camelô. O caso teve repercussão total. 

  Diversas testemunhas filmaram o exato momento do tumulto e do tiro disparado pelo soldado Henrique Dias Bueno de Araújo que matou o camelô Carlos Augusto Muniz Braga na Lapa, na Zona Oeste. O caso ocorreu na Rua Doze de Outubro no fim da tarde de quinta-feira (18) e levou a um protesto de camelôs pelas ruas da região.

  
          No vídeo gravado por um cinegrafista amador é possível ver cada passo do ocorrido. A operação delegada é um ato realizado pela Prefeitura de São Paulo com o intuito de fiscalizar e coibir a pirataria e outros crimes, é uma parceria da prefeitura com policiais militares nos dias de folga - a prefeitura paga um salário para os mesmos.

               Na ocasião três policiais faziam a prisão de outro camelô, que por sinal estava resistindo muito à prisão. Devido a isto foi necessário o uso de força física, neste momento uma multidão forma-se ao entorno de onde estava acontecendo o fato, nesta hora diversas pessoas se aproximam, ofendem e coíbem os policiais, sendo um dos indivíduos Carlos. Para a proteção da equipe policial e para que todos se afastassem o policial Araujo sacou a arma com uma mão- porém ficou apontando para baixo por motivo de segurança - e com a outra segurou o spray de pimenta, o qual foi necessário fazer uso para conter os que estavam no arredor. Neste momento Carlos tenta desarmar o policial que defende e reage, dispara a arma acidentalmente contra o camelô. 

         Quem é o culpado? O policial que estava cumprindo seu dever? Ou do camelô que tentou desarmar o policial? 

          A utilização de força física está presente no dia a dia policial. As instruções corretas que um policial tem que seguir segundo os principais manuais técnicos do mundo mediante uma situação desta é: Presença Policial; Verbalização; Controle de contato; Controle físico; Técnicas defensivas não letais (spray e etc.); Força Letal. 

         Ao compararmos e analisarmos o vídeo, está claro que o policial seguiu todas as instruções na tentativa de proteger sua equipe e praticar o bom uso da lei. Claramente os policiais estavam em minoria e o policial em questão estaria em desvantagem de tamanho em caso de luta corporal com o individuo que tentou desarmá-lo. Infelizmente, uma tragédia com duas vidas aconteceu. O policial que está amparado pelo Artigo 23 do código penal que diz o seguinte: "Não há crime quando o agente [policial] pratica o fato: I - em estado de necessidade; II - em legítima defesa; III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.”

          Se a população deixasse a policia de bem efetuar seu trabalho tranquilamente sem tentar reprimi-la, coibir ou desarmá-lo nenhum incidente teria acontecido. No começo de 2014, quando alguns populares apelidados de "Justiceiros" espancaram e mataram alguns, o povo não disse nada. O povo também não diz nada quando um criminoso mata um policial pai de família, na verdade nem os “direitos humanos" vão à casa de um policial consolar a família ou tenta punir os criminosos.
    
      Um cidadão de bem em sã consciência jamais tentaria provocar o ato suicida de desarmar um policial.     

      A sociedade de hoje vive numa constante inversão de valores, onde acha normal a criminalidade, a baderna e ilegalidade que convive. Condena a policia, chama de falha e despreparada, porém liga para a mesma quando precisa. A mente do brasileiro diminui a cada novela e jornal comprado que assiste e lê, prefere abrir a porta para o vilão do que para o mocinho. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião acerca da publicação acima.