Destaques

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Brasil: cerca de 500 policiais mortos por ano

Todos os meses cerca de 40 policiais morrem no Brasil, quase 500 em um ano. O Brasil é o país onde mais se mata policiais. E, absurdamente, esse massacre já é conhecido pelos governantes, as causas apontadas e as decisões para reduzir esse número, nunca chegam. Nos Estados Unidos, onde a venda de armas é liberada, 70 policiais morrem por ano, em média. Considere que a população americana passa dos 300 milhões contra os 200 milhões do Brasil.

O jornalista Alexandre Garcia, da TV Globo, dá o tom do problema, num dos seus comentários a respeito da tragédia: "os agentes da lei são enfraquecidos pelas autoridades". O modelo de segurança pública no país precisa ser urgentemente revisto, diz ele.

No Bom Dia Brasil, Garcia comentou, em editorial:

"É difícil ser punido no Brasil. A maior parte dos crimes não são solucionados. A maior parte dos criminosos não são julgados. A maior parte dos condenados não são presos. E a maior parte dos que acabam cumprindo pena têm um altíssimo índice de reincidência. Voltam a praticar o crime.

Temos uma guerra interna; 154 brasileiros são mortos por dia em assassinatos em que não estão computados os crimes de trânsito. E é o país do mundo onde mais policiais são mortos. Nosso modelo de segurança pública precisa ser revisto. A responsabilidade tem que ser dos três entes federativos: União, estados e municípios. As drogas, que são o combustível da maior parte do crime, entram pelos vizinhos, como Bolívia, Colômbia, Paraguai, assim como as armas potentes dos bandidos.

Somos o maior consumidor de crack do mundo; o segundo de cocaína. E nós, brasileiros, ficamos olhando. Como nação, apoiamos a quem? Apoiamos a lei, ou desacreditamos na lei, na polícia?

Nos países do mundo desenvolvido, acreditam na polícia e nas leis. Nossas leis apoiam as vítimas? Garantem a punição aos bandidos? Nos Estados Unidos, o policial herói é tratado como herói. Aqui, não. É difícil ser policial neste país; policial por vocação, como a maioria. Os que dão a vida pela lei, pelos outros, essa é a maioria.


Aos que traem suas instituições, se desviam e viram bandidos. Neste país, agentes da lei são enfraquecidos pelas próprias autoridades - e não me refiro àqueles, que mesmo não sendo deuses, querem estar acima da lei. A propósito, quem está a serviço da lei precisa ser seu maior escravo. Do policial ao juiz."


Em em 2010 foram 36 mil mortos catalogados como vítimas de armas de fogo, no Brasil, um número quase 4 vezes maior que as mortes nos Estados Unidos (9.960 no mesmo período). Mas tem outro detalhe: os americanos tem 295 milhões de armas contra 15 milhões no Brasil. Mata-se no Brasil 19,3 pessoas para cada 100 mil habitantes. Nos Estados Unidos, 3,2 mortos para cada grupo de 100 mil. A Venezuela, o país mais violento do mundo, este índice é de 39.

As campanhas de desarmamento no Brasil - demagogia dos governantes populistas diante de um quadro gravíssimo - recolheram, até então, 620 mil armas. Recentemente os deputados paulistas aprovaram a lei que proíbe a fabricação e venda de armas de brinquedo sob alegação de que 40% dos "assaltos a mão armada", foram praticados por armas falsas. Para muitos promotores, delegados e juízes o Estatuto da Criança e do Adolescente é a licença para menores matarem, sem piedade.

Não há motivos para otimismo enquanto os responsáveis pela politica de segurança continuarem acreditando em bobagens como estas e o alto comando das polícias continuarem sem voz diante diante dos governantes sem noção. A polícia precisa, sim, expurgar os maus policiais, a sociedade exigir mudanças e os governantes tomarem vergonha na cara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião acerca da publicação acima.