Destaques

domingo, 17 de setembro de 2017

Triste realidade: Policiais têm 4 vezes mais chances de cometer suicídio, aponta estudo

U ma pesquisa mostrou que policiais militares têm quatro vezes mais chances de cometer suicídio do que um cidadão comum.
O estudo feito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, entrevistou 224 policiais militares, e revelou que um em cada dez PMs já tentou se matar.

Segundo os pesquisadores, entre os possíveis fatores para este comportamento, estão a depressão, falta de reconhecimento profissional e agressões físicas e verbais sofridas por estes profissionais diariamente.


#setembroAmarelo #policiais #pm #bm #brasil

Pesquisas mostram avanço de suicídio entre policiais brasileiros

Estudos apresentados no 9º Encontro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública


Consequências para a sociedade


Uma série de consequências negativas para a sociedade é derivada deste problema com os policias, como aponta Robert Muggah. 
“Em primeiro lugar, é possível que o estresse psicológico também reduza o limite para o uso da violência e autocontenção. No Brasil, militares e policiais civis são muitas vezes classificados como aqueles que provocam mais perigo. No ano passado, eles estavam envolvidos na morte de pelo menos 2.000 civis em assassinatos, incluindo mais de 582 no Rio de Janeiro. Esta violência tem efeitos extremamente corrosivos sobre as relações polícia-sociedade e aumenta a exposição do policial para o trauma”.
Em segundo lugar, a doença mental e a angústia também pode aumentar comportamentos de risco e expor oficiais a danos pessoais. Na verdade, o Brasil detém o recorde mundial de policiais mortos no cumprimento do dever. De acordo com dados de 2013, 490 policiais foram mortos - cerca de 1 oficial a cada 17 horas. Entre 2001 e 2014, cerca de 1.715 policiais foram mortos no Rio de Janeiro, uma taxa de 350 por 100.000. Isso faz do policiamento uma das profissões mais arriscadas no país. É possível que o policial seja menos inclinado a tomar medidas de proteção quando sofrem de distúrbios psicológicos”, afirma Muggah.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião acerca da publicação acima.